• +351 217 214 129
  • Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Populismo vs. Pós-democracia

No meio, a democracia luta por espaço.

“Há um espectro que assombra a Europa”, grita uma manchete num recente número especial do Journal of Democracy (uma sóbria publicação editada pelo National Endowment for Democracy americano) que analisa a ascensão dos partidos políticos à esquerda e à direita do mainstream europeu. Os europeus ficam normalmente ou alarmados ou desconfiados com a preocupação americana com o destino da democracia, mas, desta vez, a opinião liberal em ambos os lados da “Lagoa” ecoa em uníssono: o populismo é uma ameaça à democracia.

A abordagem do Journal é mais variada e subtil que isso. É também um útil compêndio de todos os partidos, políticas e histórias que podem ser incluídas no vasto baú do populismo. Um artigo principal, de Takis S. Pappas, um teórico político grego residente na Hungria, lista 22 partidos diferentes a que ele cautelosamente chama “desafiadores da democracia liberal”. O autor divide-os em três categorias: antidemocratas, ativistas e populistas. (Todos são commumente denominados de populistas nos meios de comunicação europeus e americanos). Ele enumera, de uma forma muito útil (e para minha ligeira surpresa), que sete destes partidos ganharam poder em coligação, outros quatro sozinhos, e que todos menos os anti-democratas estão ou “isolados em oposição” ou “extintos” (o BNP).


1000 Caracteres remanescentes


Agradecemos o amável e generoso apoio dos nossos patrocinadores:

logo ucp iep lisboa

Logo Jerónimo Martins

logo radio renascenca

© 2021 Nova Cidadania. All Rights Reserved.
Desenvolvimento Angulo Sólido

Please publish modules in offcanvas position.