• Português (pt-PT)
  • +351 217 214 129
  • This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Heróis do Mar, precisam-se

Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive

Todos são necessários a bordo, quer a remar para o mesmo lado, ou a aproveitar o vento de feição, para que o rumo vá de encontro às verdadeiras potencialidades que se aguardam.

Quando aceitei o convite para escrever este artigo, estava longe do tema acima citado, pois o desafio era homenagear, como também o estamos a fazer, os actuais velejadores presentes na mais prolongada prova desportiva mundial, a regata “Volvo Ocean Race”, a decorrer na sua13a edição à volta do mundo, nos mais inóspitos oceanos que cobrem o planeta terra. São estas hostis condições que António Fontes, Bernardo Freitas e Frederico de Mello ousam enfrentar. O passaporte para ficar na história da Prova e como heróis do Mar de Portugal.


 

Churchill e a Europa

Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive

O próprio Churchill afirmou que não era ele que mudava, mas sim o contexto nacional ou internacional. E só os loucos não se adaptavam a circunstâncias diferentes.

O nosso tema de hoje, “Churchill e a Europa”, ganhou novamente destaque com os debates que surgiram – ou ressurgiram – na campanha que antecedeu o referendo do Brexit na Primavera do passado ano no Reino Unido. Como se sabe, os dois lados tentaram puxar Churchill para si, como numa espécie de jogo da corda. É possível defender-se que Churchill é como a Bíblia: na sua longa lista de declarações sobre vários assuntos, podem encontrar-se argumentos a favor e contra o mesmo ponto. O próprio Churchill afirmou que não era ele que mudava, mas sim o contexto nacional ou internacional. E só os loucos não se adaptavam a circunstâncias diferentes.

O paradoxo aqui é que, como veremos, nas décadas de 1950 e 1960, a sua mudança gradual culminou num afastamento da Grã-Bretanha em relação à Integração Europeia, numa altura em que, de facto, a reduzida posição mundial do país tornava cada vez sensato juntar-se ao Movimento Europeu. Mas, como o voto no Brexit demonstrou, os ditames da razão são frequentemente submetidos a sentimentos do coração neste tema. Segundo afirmou Jock Colville, seu fiel ajudante e amigo, em 1981, “havia uma contradição na visão de Churchill de unidade europeia.” 1


 

Dois Livros, Dois Destinos

Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive

Dois livros recentes revelam dois destinos possíveis para o Ocidente: o tédio e a submissão, por um lado; a honra e a resistência, por outro. A escolha cabe a cada um de nós.

Dois livros recentemente traduzidos entre nós merecem atenta reflexão. Eles exprimem dois entendimentos opostos, mas claramente coexistentes entre nós, da civilização ocidental e dos deveres opostos que esses entendimentos implicam. É difícil exagerar a importância do que está em causa.

O primeiro livro é a edição portuguesa de Submissão, do francês Michel Houellebecq. É um livro certamente corajoso (e muito bem traduzido), que retrata duramente a imaginária futura rendição da França (e, com ela, da Europa) ao fundamentalismo islâmico. O mais incrível, à primeira vista, é que essa rendição será efectuada por via eleitoral: todos os partidos ‘respeitáveis’ (do centro-direita à extrema-esquerda) decidem apoiar uma candidato islâmico para derrotar a candidatura da Frente Nacional. No fim da história, a França docemente aceita a islamização — a começar pela Universidade de Paris-Sorbonne, onde o narrador lecciona.

Mas isto é apenas o mais incrível, à primeira vista. O que é tão, ou ainda mais, incrível é o retrato que o autor descreve da França antes da conversão ao islamismo. A França ‘burguesa’ que o autor retrata é uma terra de tédio, de ausência de sentido, em que as únicas fontes de gratificação residem na gastronomia e no sexo avulso. É essa (imaginária) França sem sentido mais fundo, essa França à deriva, que o autor descreve como vítima voluntária da Submissão.


 

Academia das Ciências Houve uma Idade de Ouro na Nossa Cultura?

Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive

Não pode haver uma resposta unívoca. Mas, mais de um século passado, e vendo- se o longo prazo, percebemos que essa Geração singular e influente, teve uma genial intuição – a de que urgiria apostar na abertura, na diversidade, do cosmopolitismo.

Sem negar o valor de alguns dos clássicos portugueses, devo dizer que, em meu entender, a literatura portuguesa, que merece ler-se, data do século passado, do período romântico, da época de Almeida Garrett e de Herculano. E creio que a sua verdadeira idade de ouro é a atual

Assim se exprime Unamuno sobre a literatura portuguesa, em texto datado de Salamanca, de março de 1907. De que fala o pensador? Terá ele razão? Naturalmente, das repercussões poderosas na geração de 1870, não es- condendo profunda admiração pelos seus protagonistas – Antero de Quental, Oliveira Martins, Eça de Queiroz, Guerra Junqueiro e Ramalho Ortigão. Os três primeiros já não faziam parte do número dos vivos, mas os dois últimos ainda estavam presentes. E o mestre salmantino invoca uma célebre con- versa com Junqueiro: «O Cristo espanhol, dizia-me uma vez Guerra Junqueiro, está sempre no seu papel trágico: nunca baixa da cruz, onde, cadavérico, estende os seus braços e alarga as suas pernas cobertas de sangue; o Cristo português anda por costas e prados e montanhas, com a gente do povo, diverte-se com eles, merenda, e de vez em quando por pouco, para desempenhar o seu papel, regressa à cruz. (...) Aqui há o culto da morte; só que em vez de ser trágico, como em Espanha, é elegíaco e triste»... E ao dizer isto, o mestre sente encantamento. É verdade que não deixa de reconhecer, por comparação, as virtudes da literatura catalã, mas nas letras portuguesas vê um sinal da originalidade e o selo de uma identidade viva. E considera João de Deus o mais português dos nossos líricos do momento, corroborando Junqueiro esta consideração sentida. Mas Antero de Quental é outra coisa – comparável aos maiores na filosofia e na sensibilidade poética. «Em Espanha não temos nada que se assemelhe. Campoamor é a seu lado um falsificador do ceticismo. Quental foi uma das almas mais atormentadas pela sede de infinito e pela fome de eternidade. Há sonetos seus que viverão enquanto viva a memória das gentes, porque serão traduzidos, mais tarde ou mais cedo, em todas as línguas dos homens atormentados pelo olhar da esfinge». António Nobre apresenta o tom de um desespero resignado ou de resignação desesperada, que aparece noutros passos da literatura portuguesa.


 

Vinte Anos Após a Morte de Isaiah Berlin Revisitando os Dois Conceitos de Liberdade

Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive

Isaiah Berlin nasceu em Riga, a 6 de Junho de 1909, e morreu em Oxford, a 5 de Novembro de 1997 — há precisamente 20 anos. Alguns dos principais jornais do mundo ocidental noticiaram a morte de Isaiah Berlin na primeira página. “Morreu um dos mais influentes intelectuais do século XX”, foi uma afirmação comum a muitos dos obituários então publicados.

Curiosamente, pouco depois, na edição da Primavera de 1998 da revista trimestral norte-americana The Public Interest, Adam Wolfson, então Chefe de Redacção daquela revista, escrevia que, “quando se recorda e celebra Isaiah Berlin, é importante ter a certeza de que se está a falar do homem certo”. Esta era, em parte, uma referência ao famoso erro do Governo Britânico quando, durante a II Guerra, convidou Irving Berlin, em vez de Isaiah Berlin, para almoçar com Winston Chruchill no no 10 de Downing Street. Mas Adam Wolfson visava mais do que isto e acrescentou:

“Quando Berlin morreu, em Novembro de 1997, ocorreu uma cascada de ensaios e obituários adulatórios, todos eles bem merecidos. No entanto, há um sentido no qual, mais uma vez, o Berlin errado está a ser celebrado; ou, se não o Berlin errado, pelo menos apenas metade dele apareceu nos muitos ensaios comemorativos sobre a sua vida (...) Muito poucos dos seus admiradores, ou até detractores, se deram ao trabalho de mencionar o que era inegavelmente impor- tante acerca do homem: a sua distintiva percepção dos horrores do comunismo e a sua convicção inabalável de que os intelectuais ocidentais deviam opôr-se ao comunismo ou, no mínimo dos mínimos, deviam não confundir comunismo e liberalismo.” 1


 

Page 2 of 4

Agradecemos o amável e generoso apoio dos nossos patrocinadores:

logo ucp iep lisboa

Logo Jerónimo Martins

logo radio renascenca

© 2021 Nova Cidadania. All Rights Reserved.
Desenvolvimento Angulo Sólido

Please publish modules in offcanvas position.