• Português (pt-PT)
  • +351 217 214 129
  • This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

ANTÓNIO ALÇADA BAPTISTA

Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive

Na conhecida dicotomia de Péguy, que afirmou tudo começar na mística e acabar na política, António Alçada Baptista quis agir no pólo profético, mais do que no lado político. Mas, sabendo que o campo político é o que influencia o dia a dia, não se alheou dele.


 

Recordando Joaquim Paço d'Arcos

Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive

A obra de um escritor pode também lançar alguma luz sobre a sociedade do seu tempo e os dramas e os conflitos que afectaram tantos destinos individuais. Não é só o historiador ou o analista político que recupera e classifica essa memória, por vezes sob ópticas condicionadas pela sua própria visão dos factos. Também o escritor, o próprio político e tantos outros actores do palco no mundo nos deixam, noutras linguagens, o retrato do seu tempo.


 

Democracia sem Fronteiras?

Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive

Marc Plattner é um dos autores norte-americanos que mais se tem dedicado à compreensão da democracia, tanto na sua vertente mais teórica e abstracta, como na sua dimensão mais prática.


 

Humanismo Político - Sobre o Pensamento de Hannah Arendt

Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive

Hannah Arendt é sem dúvida uma das mais importantes fi guras do pensamento político contemporâneo. Famosa pelo seu trabalho sobre totalitarismo, em particular através das obras The Origins of Totalitarianism (1951) e Eichmann in Jerusalem: A Report on the Banality of Evil (1963) – baseado na sua reportagem para a revista The New Yorker sobre o julgamento de Adolf Eichmann, conhecido como “o arquitecto do holocausto” – a obra de Hannah Arendt cobre muitos outros temas como a natureza da liberdade, o conceito de revolução e as capacidades humanas de pensar e julgar.


 

Daviz Simango - O herói do momento na política moçambicana

Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive

Por regra não classifico políticos nem como heróis nem como vilões. Considero que tanto a idolatria como o diabolismo são o primeiro passo para a nossa auto-desresponsabilização e para, em consequência, negligenciarmos o nosso papel de cidadãos vigilantes. Gosto de aplicar ao conceito de heroísmo na política a definição de felicidade do Júlio Machado Vaz, a qual dita que a felicidade não é um acto contínuo, mas sim momentos de felicidade. Assim, não existem heróís na política, mas antes momentos de heroísmo.


 

Page 3 of 6

Agradecemos o amável e generoso apoio dos nossos patrocinadores:

logo ucp iep lisboa

Logo Jerónimo Martins

logo radio renascenca

© 2021 Nova Cidadania. All Rights Reserved.
Desenvolvimento Angulo Sólido

Please publish modules in offcanvas position.