• +351 217 214 129
  • This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive

On sale from 24 July 2020

Be part of this Nova Cidadania! Subscribe and receive the Magazine comfortably in your home!

Benefit from the Subscription Campaign here »

Also on sale at bookshops Almedina, Bulhosa, Coimbra Editores, Universidade Católica Portuguesa, Papelaria do Alto (Estorial), Lojas Pingo Doce and directly at IEP - UCP!

 

Alm. Vieira Matias
Alm. Vieira Matias
Palestra Alexis de Tocqueville 2020
Palesta Alexis de Tocqueville
Conversas sobre a Europa
Conversas sobre a Europa
› Política Externa da União Europeia
Por Heman Van Rompuy
 
 
 
Logótipo Revista Nova Cidadania
 
ANO XXII | Nº 71 | Julho / Outubro 2020
 

Homenagem

Almirante Nuno Gonçalo Vieira Martins

Por Francisco Vidal Abreu

Almirante Vieira Martins

Por Alexandre da Fonseca

Almirante Vieira Martins

Por João Carlos Espada

NATO

Nato@70: Past and Future

Por João Carlos Espada

Obituário

Júlio Miranda Calha

Por Guilherme d'Oliveira Martins

Palestra

Portugal no Mundo

O primeiro Dia Mundial da Língua Portuguesa

Por Guilherme d'Oliveira Martins

Eutanásia

Sobre a eutanásia

Por Jorge Miranda

Palestra Conversas sobre a Europa

Política Externa da União Europeia

Por Herman Van Rompuy

Livros & Ideias

Jürgen Habermas

Por Guilherme d'Oliveira Martins

Homenagem

A Alma de João Paulo II

Por George Weigel

Obituário

José Cutileiro

Por José Manuel Durão Barros

Leonardo Mathias

Por Marcello Mathias

Maria de Sousa

Por Guilherme d'Oliveira Martins

Open Day

Portfólio

Especial Estorial Political Forum 2020


 

User Rating: 5 / 5

Star ActiveStar ActiveStar ActiveStar ActiveStar Active

Revista Nova Cidadania
Instituto de Estudos Políticos
Universidade Católica Portuguesa
Palma de Cima
1649-023 Lisboa

Telefone: 21 721 41 29
Fax: 21 727 18 36
E-mail geral: This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Editorial Board: This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.
Management and Editorial Coordination: This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.
Promotion and Advertising: This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.
Subscriptions: This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

To become a subscriber of the New Citizenship Magazine printed, please click here .


 

User Rating: 5 / 5

Star ActiveStar ActiveStar ActiveStar ActiveStar Active

Albano Santos
Alberto Castro
Alexandre Soares dos Santos †
António Bagão Félix
António Borges †
António Carriço
António Paim
António Pedro Barbas Homem
António Pinto Leite
António Sousa Franco †
Bernardino Gomes †
Carlos Henrique Cardim
Diogo Lucena
Eduardo Marçal Grilo
Ernâni Rodrigues Lopes †
Eugénio Anacoreta Correia
Fernando Adão da Fonseca
Francisco Carvalho Guerra
Francisco Sousa
Gertrude Himmelfarb †
Guilherme d’Oliveira Martins
Harvey S. Mansfield
Henrique Monteiro
Henrique Mota
Irving Kristol †
Isabel Almeida e Brito
Isabel Capeloa Gil
Isabel Carmelo Rosa
Jean-Claude Casanova
Jaime Gama
João Alberto Pinto Basto
João Cardoso Rosas
João Carlos Espada
João César das Neves
João Loureiro
João Marques de Almeida
João Salgueiro
Joaquim Aguiar

Jorge Braga de Macedo
Jorge Jardim Gonçalves
Jorge Pereira da Silva
José António Saraiva
José Carlos Vieira de Andrade
José Luís Nogueira de Brito
José Manuel Durão Barroso
José Manuel Fernandes
José Manuel Moreira
Kenneth Minogue †
Luís Valente de Oliveira
Luisa Leal de Faria
Manuel Braga da Cruz
Maria de Jesus Barroso Soares †
Maria João Avillez
Mário Lages †
Mário Pinto
Martim Avillez Figueiredo
Miguel Cadilhe
Miguel Monjardino
Nuno Crato
Nuno Vieira Matias †
Paulo Teixeira Pinto
Pedro Aguiar Pinto †
Pedro Andrade
Pedro Roseta
Pedro Vaz Patto
Ricardo Bayão Horta
Ricardo Velez Rodriguez
Roberto Carneiro
Rui Machete
Rui Ramos
Seymour Martin Lipset †
Ubiratan Borges de Macedo †
Vasco Rocha Vieira
Vítor Bento
William A. Galston
Zita Seabra


 

User Rating: 5 / 5

Star ActiveStar ActiveStar ActiveStar ActiveStar Active

UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO CÍVICA

I. Uma situação preocupante

Portugal tem hoje um défice de reflexão e debate intelectual de qualidade e com expressão escrita. É certo que o número de conferências e colóquios de qualidade aumentou significativamente na última década. Mas, não existindo uma tribuna permanente que dê conta desse fluxo de informação, ou existindo apenas tribunas especializadas, a informação fica circunscrita a públicos especializados que participam nas diversas iniciativas. Por outro lado, ao nível da comunicação social, não existe o hábito da reflexão e do debate dos grandes temas de médio e longo prazo, para não falar do baixo nível da programação televisiva.

Acresce que a inexistência desta reflexão de fundo abre caminho ao alastramento de um conjunto de preconceitos que, por não serem confrontados com investigação e reflexão sérias, tendem a dominar aquilo que Joseph Schumpeter designou de «atmosfera intelectual».

Somos tentados a dizer que esta «atmosfera intelectual» é hoje dominada pelas inclinações «pós-modernas». No centro das inclinações «pós-modernas» está uma revolta contra a tradição da liberdade ordeira, para usar a expressão consagrada por Emund Burke na sua crítica da Revolução Francesa; uma revolta «estética» contra a razão e a busca da verdade, para usar a terminologia de Karl Popper; e uma revolta contra a tradição liberal da «gratificação diferida», - base de todo o investimento, do amadurecimento das instituições, designadamente a família, e da reforma sem revolução - em nome do império da «gratificação instantânea». Não deve ainda ser omitido o impulso «pós-moderno» contra todos os padrões de comportamento, acusados uma vez mais de serem meros preconceitos; a adopção de um laicismo agressivo que procura ridicularizar e expulsar da esfera pública todo e qualquer sentimento religioso, sobretudo quando se trata da tradição judaico-cristã.

Sem ser ainda alarmante, esta situação é preocupante. Na ausência de reflexão sobre o médio e longo prazo, o país fica impreparado para enfrentar os grandes desafios da viragem do século e do milénio: o impacto da revolução da informação e das biotecnologias, o desafio da globalização, as grandes reformas do Estado Social - designadamente no campo da saúde e da segurança social -, os tremendos problemas do ensino, o magno problema da exclusão social e de como voltar a criar mais oportunidades para todos, etc. Finalmente, a própria questão Europeia tem sido abordada sob um horizonte limitado, menosprezando frequentemente a sua articulação com as grandes incógnitas do mundo pós-Guerra Fria.

Se a ausência desta reflexão nos deixa impreparados, o alastramento do pós-modernismo deixa-nos francamente mal preparados. Embora a mensagem relativista e subjectivista do pós-modernismo seja feita em nome de uma liberdade radical, ela na verdade corrói as bases da liberdade - que estão sempre indissociavelmente ligadas ao sentido da responsabilidade pessoal e a uma tradição moral substantiva, ainda que plural, na qual assentam as sociedades demo-liberais do Oeste. Ao proclamar a irrelevância ou arbitrariedade dos alicerces da nossa liberdade ordeira - o racionalismo clássico de Atenas, a tradição judaico-cristã e o racionalismo moderno das luzes, sobretudo na sua versão moderada anglo-americana, - o pós-modernismo empurra-nos, a nós e às futuras gerações, para um abismo existencial. A experiência deste terrível século XX ensina-nos que a democracia nunca sobreviveu muito tempo ao «olhar sobre o abismo».

A situação atrás descrita a traços largos não é exclusiva do nosso país. Mas, com o nosso hábito de caminhar a contraciclo, o nosso clima intelectual entusiama-se hoje com "novidades" pós-modernas que foram postas á prova nas democracias mais maduras ao longo das últimas três décadas. Devido a essa experiência, que está exaustivamente estudada sobretudo em Inglaterra e nos EUA, pode ser dito que a maré pós-moderna está hoje em recuo, ou perante forte e fundamentada oposição nesses países. O que é tremendamente preocupante é que as consequências das modas hoje dominantes entre nós, que são amplamente conhecidas e debatidas nos EUA e em Inglaterra, são praticamente desconhecidas no nosso país.

A esta dificuldade conjuntural é necessário acrescentar uma dificuldade ainda mais séria e estrutural: a profunda influência da cultura política francesa sobre as nossas elites, e o profundo desconhecimento existente entre nós da tradição política e intelectual anglo-americana. Não é aqui o lugar para analisar este fenómeno que remonta, pelo menos, ao século passado, e em que a chamada «Geração de 1870» terá tido um papel de relevo. Importa apenas recordar aquilo que Alexis de Tocqueville observou: que a cultura política francesa é feita de oposições radicais - aquilo que ele designou por "conflito estéril entre o Antigo regime e a Revolução" - que estão ausentes da tradição gradualista, descentralizada e ordeira anglo-americana. Este contraste é particularmente visível desde o choque entre os dois Iluminismos do século XVIII. Enquanto o chamado Ilumisnismo escocês, que influenciou fortemente a Revolução Americana, era favorável ao senso comum, à empresa privada, ao comércio livre, ao governo pequeno e limitado pela lei, e à tradição moral e religiosa judaico-cristã, o Iluminismo francês era quase o oposto: ridicularizava o senso comum e entronizava os «filósofos», hostilizava a religião, desconfiava da empresa privada, favorecia o proteccionismo e reclamava um governo forte "iluminado" pelas certezas científicas. Finalmente, e não por acidente, o Iluminismo francês apelava à igualdade, enquanto o Iluminismo escocês - representado por David Hume, Adam Smith e Edmund Burke, entre outros - apelava á promoção de mais oportunidades leais para o maior número, ao auxílio aos necessitados, e cingia a igualdade à igualdade perante a lei, sublinhando a importância do mérito e do esforço pessoal. Ainda hoje, é difícil exagerar a importância, o alcance e as consequências, destas profundas diferenças.

No entanto, esta breve descrição da situação que vivemos ficaria seriamente distorcida se fosse omitido o facto de na sociedade portuguesa, sobretudo nas famílias e nas instituições civis, existirem fortes tradições e convicções contrárias ao pós-modenismo. Sentindo-se ofendidas pelo clima dominante estas tradições e convicções hesitam no entanto em fazer-se ouvir por lhes faltar uma expressão intelectual comum e articulada.

II. Uma proposta de intervenção cívica

Face à situação atrás descrita, pensamos que é urgente criar um pólo de atracção intelectual capaz de gerar as energias e apontar direcções para gradualmente alterar a atmosfera intelectual dominante. Por alteração da atmosfera dominante não entendemos a abolição ou extinção das concepções atrás delineadas - algumas das quais são modas passageiras, mas outras parecem corresponder a profundas inclinações de sectores significativos das sociedades modernas. Não nos custa conviver com essas inclinações, com as quais gostamos aliás de polemizar. Desta polémica, julgamos mesmo que se origina uma estimável busca de esclarecimento, o qual é sempre fruto do confronto pluralista e não do monismo dogmático. O que actualmente se verifica, no entanto, é a tendência para a hegemonização da nossa atmosfera intelectual por um monismo dogmático que, em nome do pluralismo, na verdade tenta excluir todos os pontos de vista que contrariam o relativismo pós-moderno.

A principal alteração da atmosfera intelectual que temos em vista é, por isso, a criação de um polo de atracção intelectual que faça frente ao actual monismo dogmático.

Pensamos que esse pólo de atracção intelectual deve ser uma publicação de ideias - filosofia, política, economia, defesa, administração e sociedade - dedicada a um vasto público médio e superior, que poderíamos talvez designar por «opinião pública esclarecida». Embora com orientações bastante diferentes, a «Seara Nova» e o «O Tempo e o Modo» dão uma imagem do que temos em vista. A revista «Risco» é outra referência para o que temos em mente. Mas é importante frisar que, com a orientação intelectual que aqui é proposta, a nova revista não será sobretudo uma revista para intelectuais, no sentido francês da expressão.

Em termos gerais, a revista deveria assumir sem complexos a filosofia pluralista subjacente às democracias ocidentais: Estado de Direito, governo representativo, economia de mercado e empresa livre, rede de segurança para todos (ou seja, apoio aos que precisam e merecem). Mais concretamente, a revista deveria privilegiar os pontos de vista que defendem a disciplina orçamental do Estado, uma estrutura fiscal leve e estimuladora do investimento, do trabalho e da propriedade, numa palavra, da iniciativa civil. Sem negar o papel interventor do Estado, será claro que este deve ser sempre supletivo e respeitador do princípio da subsidariedade.

No plano externo, a revista assumiria com clareza os compromissos fundamentais da democracia portuguesa: Aliança Atlântica, União Europeia, Comunidade dos Povos e Países de Língua Portuguesa.

Em termos políticos, a revista não teria uma orientação particular. Ela defenir-se-ia sobretudo por uma atitude, em que a oposição ao relativismo pós-moderno será um alicerce fundamental. Quer em função da dignidade da pessoa humana, quer em função da própria sobrevivência das sociedades livres, esta atitude assume a afirmação da substantividade dos valores.


 

Agradecemos o amável e generoso apoio dos nossos patrocinadores:

logo ucp iep lisboa

Logo Jerónimo Martins

logo radio renascenca

© 2020 Nova Cidadania. All Rights Reserved.
Desenvolvimento Angulo Sólido

Please publish modules in offcanvas position.