• Português (pt-PT)
  • +351 217 214 129
  • This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Para uma Ética Partilhada

Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive
 

Para uma Ética Partilhada

Uma actual e belíssima reflexão sobre o mundo contemporâneo, sendo de uma grande oportunidade, em especial quando sentimos os efeitos da crise económica e financeira e percebemos que uma resposta ética actuante exige coerência e eficácia.

Enzo Bianchi
Para uma Ética Partilhada

Pedra Angular, 2009

Para uma Ética Partilhada

O Uma actual e belíssima reflexão sobre o mundo contemporâneo, sendo de uma grande oportunidade, em especial quando sentimos os efeitos da crise económica e financeira e percebemos que uma resposta ética actuante exige coerência e eficácia.

Enzo Bianchi
Para uma Ética Partilhada

Pedra Angular, 2009

POR GUILHERME D’OLIVEIRA MARTINS

Presidente do Tribunal de Contas | Membro do Conselho Editorial de Nova Cidadania

Para uma Ética PartilhadaO livro de Enzo Bianchi Para uma Ética Partilhada (Tradução de Artur Morão, Pedra Angular, 2009) é uma actual e belíssima reflexão sobre o mundo contemporâneo,sendo de uma grande oportunidade, em especial quando sentimos os efeitos da crise económica e financeira e percebemos que uma resposta ética actuante exige coerência e eficácia, para que os problemas actuais não venham a repetir-se, em condições certamente ainda mais gravosas para todos, não apenas para as contas, mas fundamentalmente para a coesão social e para a confiança nas instituições da democracia.

Enzo Bianchi (n. 1943) é um monge com uma importante intervenção ecuménica, preocupado com o lançar de pontes em diversas direcções, no sentido dos cristãos e dos não cristãos, de diversas proveniências. Fundou em 1965 a Comunidade Monástica de Bose, no dia em que o Concílio Vaticano II encerrou os seus trabalhos. O sinal foi premonitório, uma vez que Bianchi tem-se empenhado activamente na difusão de uma espiritualidade renovada, fortemente enraizada num diálogo fecundo, tantas vezes surpreendente, entre a tradição e modernidade. É útil recordar, por exemplo, a citação, que tantas vezes Bianchi repete, de uma carta a Diogneto, escrita no século II, em que os cristãos aparecem definidos deste modo tão atraente: “vivem na sua pátria, mas como forasteiros; participam de tudo como cidadãos, mas separam-se de tudo como estrangeiros. Moram na terra, mas têm a sua cidadania no céu”. Nesta linha, Enzo Bianchi fala de uma cidadania espiritual, designada como polite uma, palavra grega que podemos traduzir como conversação, e que, a um tempo, significa conversa com Deus, enquanto oração, mas também compromisso com os outros. A obra que hoje nos ocupa espelha bem, de um modo simples e acessível, este mesmo entendimento. Esta conversa com Deus e com os outros é a chave de uma espiritualidade aberta, serena, respeitadora das diferenças e criadora.

A fé precisa, afinal, da razão para não cair no paganismo, mas exige também a partilha de responsabilidades na cidade das pessoas, a polis.

TEMAS DIFÍCEIS E ACTUAIS

Os temas tratados no livro, a propósito da difícil tarefa de partilhar uma ética viva, são sucessivamente: a presença da Igreja no espaço público, a linguagem humilde para narrar a fé, o peso das palavras,  a ética e a ciência à luz da fé e, por fim, há três apelos significativos aos cristãos, sobre o primado da fé, a reserva escatológica e a arte da comunicação.

“Em vista de uma recuperação do primado da fé (diz-nos o autor), da expectativa das coisas últimas e de uma arte da comunicação autêntica, continua a ser indispensável a leitura e o conhecimento do evangelho entre todos os que fazem parte da comunidade cristã. De facto, se é verdade que o cristianismo é a religião do Livro, é igualmente verdadeiro que só o evangelho permite o conhecimento de Jesus Cristo, centro e coração do cristianismo”.

Para uma Ética Partilhada

Daí que a militância de Bianchi em torno da palavra bíblica seja um ponto fundamental a ter em consideração.

“Um cristianismo em que o evangelho não inspira a vida, a esperança e a linguagem dos crentes (diz-nos ainda), como evitará tornar-se ritual, devocional, como deixará de se reduzir a facto cultural ou social, se é que não mesmo a fenómeno folclórico ou supersticioso?”

Assim, o evangelho ganha uma especial importância, e o Concílio Vaticano II teve a virtude, crucial para Bianchi, de o colocar de novo na mão dos  católicos – pondo o testemunho de Jesus Cristo no centro da vida espiritual quotidiana. Por outro lado, contra a indiferença perante os outros, a escuta de humanidade torna-se fundamental. Em suma, a atenção ao Evangelho é a atenção a Cristo que encontramos a cada passo – tive fome deste-me de comer, tive sede deste-me de beber, nu vestiste-me.

“Num período em que tudo está posto em causa – a concepção da relação com o seu corpo, com o outro sexo, com o sofrimento, com o tempo, com a natureza… - é necessário elaborar respostas de sabedoria que digam quem é o ser humano e como se pode humanizar mediante uma qualidade de vida pessoal e de convivência.”

O Estado deve ser laico, a sociedade é plural e o fenómeno religioso tem de ser aceite pelos outros no espaço público.

A fé precisa, afinal, da razão para não cair no paganismo, mas exige também a partilha de responsabilidades na cidade das pessoas, a polis. Cristãos e não cristãos têm, deste modo, de se perguntar em comum – quem é a pessoa humana? A luta pela humanização contra a barbárie tem de mobilizar todos. E Enzo Bianchi tem-se empenhado activamente nessa missão de abertura e de partilha – para além das fronteiras dos católicos e dos cristãos. A laicidade tem de ser entendida de forma saudável. O Estado deve ser laico, a sociedade é plural e o fenómeno religioso tem de ser aceite pelos outros no espaço público. Daí que os poderes públicos devam defender activamente a liberdade de consciência para todos, devam empenhar-se na coexistência pacífica entre todos, opondo-se a toda a violência que se acoberta das convicções religiosas.

PÓLO PROFÉTICO, PÓLO POLÍTICO

Para uma Ética PartilhadaPara uma Ética PartilhadaE se há sempre um pólo político e um pólo profético, como no-lo ensinaram Péguy, Maritain e Mounier - importa perceber a força do espírito, sem confusão de planos: “a Igreja e as figuras eclesiais podem dizer uma palavra só a nível profético, pré-económico, pré-político, pré-jurídico, mas não devem sugerir soluções técnicas, porque isso incumbe aos homens políticos”. Daí que Bianchi defenda um cristianismo que seja verdadeiramente civil. E é nesse contexto que aponta para um fórum político dos cristãos. Longe da ideia do “partido dos católicos” do que se trata, sim, é de assumir a diferença e de funcionar como fermento na massa. Não há política cristã, mas cristãos na vida política.

“Cada cristão é remetido para a sua responsabilidade de cidadão epara a sua eventual inserção política, a fim de actuar segundo a inspiração do evangelho: as maneiras e as soluções técnicas para traduzir estas inspirações residem no âmbito da política, da economia, do direito e, enquanto tais, recaem sobre a responsabilidade do indivíduo crente-cidadão.”

Goa, emblematicamente a «Jóia do império», acabaria por não percorrer a senda histórico-política a que tinha jus e que nós, a nossa tradição, merecíamos, se é que não reclamávamos.

Passa então do profético ao político, assume responsabilidades, corre riscos, compromete-se. A diferença cristã exige o compromisso, percebendo-se, porém, que

“nenhum partido pode dizer que é o único depositário da mensagem cristã numa sociedade pluralista animada por projectos políticos em concorrência, os quais só poderão extrair benefícios de um confronto sério com a ‘diferença cristã’ tornada eloquente por católicos responsáveis e empenhados.”

Este tema é, no entanto, muito mais difícil do que pode parecer à primeira vista, uma vez que o passar do pólo profético para o pólo político obriga a sujar as mãos e a correr o risco da incompreensão, uma vez que então estamos diante do confronto entre a promessa e a capacidade de a cumprir, acrescendo que o cristianismo não é, por definição teocrático.

CHAMADOS AO COMPROMISSO

Para uma Ética Partilhada
Comunidade Monástica de
Bose, no norte de Itália

Os cristãos são chamados à responsabilidade na polis, mas nunca poderão reivindicar a virtude apenas por serem cristãos. Daí as cautelas postas na Constituição Pastoral “Gaudium et Spes” – os cristãos não podem eximir-se a responsabilidades, mas não poderão justificar a verdade política com base na verdade religiosa. Cristonão foi chefe político e não o quis ser, mas não afasta os seus discípulos do compromisso com a sociedade e os outros. Lembremo-nos de Giorgio La Pira, foi síndaco de Florença e deputado do Partido Democrata Cristã italiano, mas nunca renunciou a combater a acomodação, apelando constantemente à responsabilidade ética, profética e pré-política. Bianchi fala, por isso, de um “justo uso político da fé”. Há um dever da Igreja se fazer ouvir. Para tanto tem de encontrar modos e tempos para uma intervenção autorizada. Trata-se, na proposta de Enzo Bianchi, de usar uma linguagem política “não banal nem arrogante, mas passível de ser escutada também por quem não partilha a fé que a gera”.

“O espírito do homem é demasiado importante para ser deixado nas mãos de fanáticos e de intolerantes ou de espiritualidades que estão na moda. Sem dúvida, cada religião alimenta-se de espiritualidade, mas há lugar também a uma espiritualidade sem religião, sem Deus.”

Daí que “o cristianismo precise de testemunhos, não de  epoimentos”, o exemplo é fundamental, havendo que evitar o mero efeito imediato das propostas políticas, que impressionam, mas não resolvem. Não pode haver ilusões sobre a criação do mundo perfeito, mas tem de haver o compromisso de procurar séria e determinadamente a justiça e a verdade.


1000 Characters left


Agradecemos o amável e generoso apoio dos nossos patrocinadores:

logo ucp iep lisboa

Logo Jerónimo Martins

logo radio renascenca

© 2021 Nova Cidadania. All Rights Reserved.
Desenvolvimento Angulo Sólido

Please publish modules in offcanvas position.